Família Carmelita celebra 500 anos de nascimento de Santa Teresa em Aparecida

Sem categoria

Família Carmelita celebra fundadora em missa no Santuário Nacional (credito Hyanne Patricia)

A missa foi presidida pelo carmelita, dom frei Rubens Sevilha, bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória (ES) e concelebrada pelo bispo da Diocese de Paranavaí (PR), dom Geremias Steinmetz, que na ocasião retornava a Imagem Jubilar de Nossa Senhora Aparecida que esteve em peregrinação na sua diocese. Entre os religiosos presentes na celebração, dom Rubens lembrou frei Patricio Sciadini, delegado geral do Egito, frei Ulrich Dobhan, provincial da Alemanha, entre outros.

Em sua palavra, dom Rubens recordou a celebração do quincentenário de nascimento de Santa Teresa e seu testemunho para a Igreja.

“Estamos celebrando os 500 anos do nascimento de Santa Teresa de Ávila, grande mística e doutora da Igreja, fundadora e reformadora do Carmelo descalço, mulher extraordinária e agraciada por Deus tanto na sua humanidade como, sobretudo, na sua vida espiritual”, assinalou o bispo.

Dom Rubens explicitou então essas duas realidades na vida de Santa Teresa, sua riqueza humana e espiritual.

“Quanto à sua riqueza humana, basta citar que Teresa de Cepeda y Ahumada, esse foi o seu nome de batismo, e nós carinhosamente no Carmelo a chamamos de a Santa Madre, tornou-se uma grande escritora da Igreja e da literatura espanhola, numa época em que poucas mulheres mal sabiam ler e muito menos escrever”, destacou.

“Quanto à sua riqueza espiritual basta citar as palavras que Jesus lhes disse em uma de suas visões: ‘Teresa, se não tivesse criado o céu para você e por sua causa, eu criaria agora’. Deus estava enamorado de Teresa e vice-versa. Teresa foi se apaixonando por Deus, afinal para ela, a oração significa relacionamento amoroso com o Senhor, como ela escreveu. E orar está muitas vezes a sós com quem sabemos que nos ama. Quero recordar a sua mensagem mais tradicionalmente conhecida: ‘Nada te perturbe, quanto ao teu mundo interior e nada te espante, quanto ao exterior’”, assinalou.

Em seguida, dom Rubens questionou os fiéis, romeiros e religiosos presentes. “O que perturba a alma do homem atual: o vazio”, disse o bispo. E completou: “O homem moderno como o filho pródigo rejeitou o Pai para sentir-se livre e feliz, fazendo o que seu coração mandar. O pobre homem moderno terminou não livre, mas órgão, filho sem pai, abandonado a si mesmo e comendo a comida dos porcos”, enfatizou dom Rubens que citou mais uma vez a mensagem de Santa Teresa. “Nada te perturbe pois quem a Deus tem nada lhe falta, só Deus basta. Nada te espante”.

Dom Rubens indagou novamente: “O que espanta o homem de hoje?”. O bispo refletiu que o homem moderno se espanta diante da fragilidade e da insegurança da vida, a violência humana, as organizações humanas econômicas, sociais e políticas “tão desumanas”, o fanatismo, a perseguição dos cristãos, a malandragem das seitas “explorando o pouco dinheiro dos pobres desesperados por milagres”, os escândalos da Mãe Igreja católica, santa e pecadora. “Se tudo nos espanta, Teresa mulher de fé nos contrapõe com o seu ‘nada te perturbe’, pois tudo muda, tudo evolui, tudo desaba um dia, tudo se evapora, tudo passa, Deus não muda”, assinalou.

Dom Rubens continuou sua reflexão falando sobre a presença amorosa de Deus que não abandona o ser humano, obra de suas mãos e sobre a missão dos carmelitas. 

Fonte : A12

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s